29 de novembro de 2016

[Resenhas] Hunter - O Caçador de Monstros, Kate Willians


255 Páginas

Sinopse

Não existem heróis, tampouco vilões.
Por trás de atos raivosos e atrocidades tenebrosas, há sempre uma verdade triste. Ninguém consegue mascarar a maldade que há dentro de si, por muito tempo. Hunter, O caçador de monstros, conta a história de Nicholas Blanco - um adolescente comum, com objetivos comuns e aparência mais comum ainda - que se depara com uma verdade surpreendente sobre seu passado e a confirmação que pode ser e fazer muito mais do que o que sempre imaginou para o seu futuro. Conta também a história de Ramon Blake, um jovem caçador no passado, que teve o amor de sua vida brutalmente arrancado de si e se deixou dominar pela dor e pelo ódio. Essa é uma história sobre caçadores que descobrem ser tão ou mais horríveis que as próprias criaturas que caçam.

Enredo

"Ninguém poderia impedi-lo. Uma vez, ele fora um garoto bom. Mas roubaram toda a sua luz, esmagaram o seu coração e comeram as migalhas e agora não existia mais nada de bonito nele. Não sentiria pena, não hesitaria."
Página 31

A trama se inicia com Ramon, um homem que após perder a mulher se torna frio e calculista em busca de vingança. Ele é um caçador, porém desintegrou-se do grupo por conta desse primeiro fator motivado pela interferência dos caçadores em sua vida pessoal. Para contemplar seu plano, ele busca alcançar o poder supremo dos caçadores e para isso precisa sacrificar três herdeiros dos três maiores clãs existentes e poderosos que possuem dons específicos, Os Blanco, Os Blake e Os Santos. 

"Aqueles pesadelos estavam me matando. Dormir já não me fazia relaxar, muito pelo contrário, me deixava exausto e por mais que a situação toda possa facilmente ser classificada como loucura, estes sonhos parecem querer me levar a algum lugar..."
Página 32

Por outro lado, temos a narração de Nicholas Blanco um garoto órfão criado pela tia na cidade de Nísia Floresta, Rio Grande do Norte. Lá ele se esforça para finalizar o ensino médio ao lado dos seus melhores amigos, Jason e Sara Blake, irmãos. Nicholas poderia ser considerado alguém comum, já que em seu grupo de amigos é o de aparência menos atraente e também menos popular entre os jovens, mas estranhamente ele convive com pesadelos relacionados a morte e a seres sobrenaturais que mais para frente serão revelados como seu diferencial. 


"Durante todos esses anos nada de realmente emocionante aconteceu a minha volta. Sempre me senti meio deslocado, como se estivesse perdido no tempo/espaço. Este nunca foi o meu lugar. Não é onde eu me sinto em casa."
Página 34

Tudo muda quando Jason propõe uma viagem ao Novo México em busca do seu pai desaparecido, era uma aventura fora da rotina corriqueira e sem graça do garoto por isso ele conta com a ajuda do amigo e também dos anfitriões do país de destino para conquistar material suficiente para convencer a tia de que a viagem é possível. 

"Está claro para você agora? Isso não é só uma viagem de férias, Nicholas. Isso aqui é o seu destino."
Página 73

Porém o rumo dos garotos mudam totalmente quando eles se vêm frente ao complexo de caçadores de Santa Fé, e não simplesmente caçadores de animais e feras selvagens, caçadores de monstros que acreditaram nunca existir. E como se não bastasse, Nicholas e Jason são submetidos a aulas e treinamentos relacionados a cultura dos caçadores juntamente com iniciados, visto que descobrem pertencer também a esse grupo e para suportarem a iniciação terão que fazer muito mais que sobreviver. 

Impressões

Esse foi o primeiro livro da Kate que eu li e como amo a temática sobrenatural foi o que mais me chamou atenção e posso dizer com certeza de que não me arrependi da escolha. Hunter é narrado em primeira pessoa pelo ponto de vista dos personagens principais, que eu não considero ser apenas um, pelo contrário, cada um deles revela um rumo e uma posição diferente dentro da história, além disso temos a visão em terceira pessoa de forma impessoal, o que permite avaliarmos as personalidades de maneira holística. E por mais que você acredite ficar perdido com tantos narrações em um mesmo livro, a autora surpreende com uma escrita fluída e compreensível, terminei sem qualquer dificuldade a ansiando por muito mais.

A cultura dos caçadores de Santa Fé foi construída de maneira exemplar e criativa, temos misticismo mesclado a realidade de seres humanos comuns que ao lidar com o poder revelam personalidades egoístas e ambiciosas tornando-se muitas vezes piores do que os próprios monstros que caçam, como Kate lembra na própria sinopse.

Os acontecimentos são atrativos e eletrizantes. Os personagens são construídos de forma realista, apresentam defeitos e qualidades, e apesar das descrições recheadas sobre eles a autora não torna a leitura cansativa, ao contrário disso, apreciamos cada detalhe e acredito que por isso que me identifiquei tanto com o modo que enxergavam a vida e a forma como agiam. Cheguei até mesmo a amar e logo em seguida odiar determinados personagens, por conseguirem transmitir verdadeiramente quem eram.

O livro faz parte de uma trilogia, onde o primeiro volume foi lançado pela Editora Coerência e os próximos tendem a ser lançados um por ano. Estou extremamente ansiosa pela continuação, o final foi um soco no nosso estômago e preciso sobreviver  para saber como aquilo termina.

Hunter é mais um dos nacionais que não perde em nada para a literatura estrangeira, por isso merece ser reconhecido e apreciado pelos leitores do mundo sobrenatural e por aqueles que desejam embarcar em uma aventura eletrizante com os caçadores de Santa Fé. 

Espero que tenham gostado pessoal, até a próxima!
Este

2 de outubro de 2016

[Resenhas] Ninho de Fogo - A Mestiça, Camila Deus Dará


268 Páginas
Compre Aqui

Sinopse

Melane, uma garota de 16 anos que vive com a avó, descobre não apenas ser uma mestiça de bruxa e dragão, como também uma princesa em um mundo chamado Ninho de Fogo.

Com ajuda de seu fiel guardião David, e o pequeno Jack, o garotinho de quase 300 anos de idade, ela volta para sua terra natal, descobrindo que o lugar está se despedaçando.
Em um mundo de dragões, fadas e sereias, Melane terá que ser forte para a batalha que colocará em risco o mundo onde nasceu, enquanto tenta descobrir a quem pertence seu coração.
Uma mistura de romance, aventura, guerra e salvação é o que te espera em Ninho de Fogo!

Enredo

"Você já se sentiu deslocado, como se não pertencesse a lugar nenhum?" 


Página 15

Ninho de Fogo é o primeiro volume de uma trilogia de fantasia nacional que conta a história de Melane, uma garota comum do interior que vê sua vida mudar da noite para o dia quando seu melhor amigo David simplesmente se torna um dragão em sua frente e ela se vê adentrando um mundo totalmente novo que a tempos atrás ela jurava existir somente nos livros. E como se isso não bastasse, Melane além de ser a herdeira do trono do Reino precisa lidar com a difícil missão de destruir o Rei, seu próprio avô, considerado o culpado pela destruição de Ninho de Fogo e lidar com o fato de ser uma mestiça de bruxa e dragão, fruto de um relacionamento proibido e abominado pela população por conta do poder que o fruto dessa relação possui. 


"— Você está com medo? — ela pergunta, alguns minutos depois.
Medo? É algo que eu tenho sentido muito nesses últimos dias, entretanto não acho que esteja com medo. Passei por tantas coisas que de certa forma me sinto forte.
— Não. — é apenas isso que respondo.
— É por isso que você é quem é. E é por isso que nós seremos salvos. " 


Página 68


Aparentemente o que seria difícil para ela, ou seja, se adaptar a nova vida, a garota é capaz de provar ao contrário. É como se ela nunca pertencesse a terra e de fato, só estivesse aguardando o momento de voltar para o seu mundo. Por isso, ela lida muito bem com a presença dos seres fantásticos como as fadas, responsáveis por auxiliá-la a se camuflar das pessoas trocando suas madeixas ruivas por longos fios negros e também a presença de objetos mágicos, como Komodo, a espada que só precisa ser empunhada pela pessoa certa para realizar atos heroicos.


"— Você é esquisito, sabia?
— Disse à garota que conversa com uma espada. — ele levanta uma das suas sobrancelhas."

Página 106

Porém as coisas se tornam mais complicadas quando os soldados do Reino descobrem a volta da mestiça e para encontrá-la realizam atos cruéis nas aldeias, Melane entra em batalha pela primeira vez ao lado de seus amigos ganhando vantagem por conta do poder de sua espada, porém David é capturado fazendo com que nesse período ela repense sobre seus atos e formule estratégias ao lado de Jack, um garotinho de quase 300 anos de idade que por ser dragão optou por permanecer na forma infantil, mas por conta da batalha, acredita ser necessário voltar a ser adulto, que se unem para resgatá-lo e finalmente destruir o Rei. 

"Se David estivesse aqui, ele diria que temos que nos manter positivos, ele acredita em mim, me disse que sou mais forte do que penso, é hora de provar a mim mesma que ele está certo sobre isso."
Página 121

Por inúmeras vezes sua coragem é posta a prova por personagens secundários que exercem um papel fundamental na história, como por exemplo, a filha da senhora que a acolheu quando chegou a Ninho de Fogo, Angélica.  E por outro lado, ela se vê sentindo coisas que jamais imaginaria sentir, como a atração pelo melhor amigo e pelo mais novo companheiro de batalhas. Apesar do romance não ser o foco da narrativa, ele foi muito bem desenvolvido. 

" Ela parece não se importar com o que digo. As lágrimas caem sobre meu corte, uma por uma, pingando dentro da ferida inflamada."

Página 140

Outro aspecto que deve ser destacado é a magia da fantasia atribuída a essa história. Os seres recriados na visão da autora são simplesmente fantásticos, nesse caso, as sereias foram minhas preferidas e com toda certeza, Summer, foi uma personagem de grande importância na trajetória de Melane. A história do local também recebe uma atenção especial, voltada para lendas e comidas típicas o que torna o leitor parte do que ele lê. 

" O fogo começa a crescer dentro de mim, bem mais forte do que as outras vezes, se espalhando para todos os lados, tomando conta de cada parte de mim."
Página 182

Por inúmeras vezes me vi na pele da protagonista, afinal, ela é muito humana apesar de ser um dos seres mais poderosos do lugar. Ela é o tipo de garota que se perdia nos livros e soube aplicar isso, por mais incrível que pareça, à sua realidade. 

Impressões

Camila soube criar um mundo fantástico com louvor. A escrita dela é fácil e simples, e de tão simples se torna encantadora. O cenário é muito bem descrito e por meio disso como leitora eu consegui me imaginar vivenciando a cena em questão. 

Ninho de Fogo fornece uma atenção especial para os personagens secundários e por isso, acabei amando um deles mais do que a própria protagonista, esse personagem foi o Jack. Conhecemos a história dele por meio da Melane e por vezes através de seu próprio ponto de vista, já que o livro apresenta diferentes pontos de vista.  Fiquei extremamente comovida, por mais que nem tudo tenha sido esclarecido nesse primeiro livro, já conseguimos ter ideia do porque ele preferiu viver como uma criança mas foi gentil ao voltar para forma humana para ajudar Melane. Os diálogos entre os dois foram meus preferidos, com seu jeito peculiar, ele conquistou meu coração.

David também é um personagem importante no enredo já que sempre cuidou da melhor amiga e a levou para o Reino,  apesar de eu não ter conseguido criar um vínculo muito preciso com ele tanto quanto Jack, logo você deve deduzir para quem eu estou torcendo nesse triângulo amoroso não é?

Entre altos e baixos, ela encerra o primeiro livro de forma gloriosa. Batalhas e descobertas são momentos importantes da narrativa e o final certamente me deixou curiosa para o próximo livro, que já foi lançado na bienal e tem uma capa incrível. É uma leitura que eu recomendo para todas as idades e em qualquer momento da sua vida, esse livro me fez viajar por um mundo totalmente novo estando dentro do meu quarto. 

E para você leitor que acreditava que autor nacional não escreve fantasia, eu lhes apresento uma das melhores que eu já li.

Sobre a edição, eu gostei muito do trabalho da capa, do mapa (Sim, tem um mapa!) e da diagramação. Mas o plástico da capa se soltou com facilidade e a revisão ficou um pouco a desejar, com erros de gramática e muitas vezes no nome da própria personagem, mas não é nada que prejudique a qualidade da história, somente algo que pode ser aperfeiçoado nas próximas edições. 

É isso pessoal! Espero que tenham gostado. Você pode acompanhar o trabalho da autora pelo canal no Youtube ou pela página no Facebook.

Até a próxima!

24 de setembro de 2016

[Tags] Doenças Literárias


Olá pessoal! Tudo bem com vocês? Espero que sim. Hoje eu estou aqui para responder uma tag que particularmente gostei bastante. Basicamente o objetivo é relacionar um livro a uma doença ou sintoma. Vamos começar?

1) Diabetes: Um livro muito doce.


Para mim A Culpa é das Estrelas foi um livro doce eu interpretei esse doce no sentido de um romance realmente repleto de amor de ambas as partes e que fluiu de forma sincera ao longo das páginas. 

2) Catapora: Um livro que você já leu para nunca mais ler na vida.


Particularmente eu gostei muito de Quem é você Alasca? Mas não leria novamente por motivos de: Aquele final me destruiu e eu não quero passar por isso de novo.

3) Ciclo Menstrual: Um livro que você lê constantemente.


Já li duas vezes e leria mais! Foi o primeiro livro da minha vida e não canso de me encantar com o mundo de Oz.

4) Gripe: Um livro que se espalhou como vírus.


Eu nem mesmo li ele ainda mas já conheço por conta da febre que vem sendo nos últimos anos.

5) Asma: Um livro que tirou seu fôlego.


Final de trilogia simplesmente arrebatador! Confesso que durante todas as páginas cada ação toma proporções que prendem o leitor até o fim, de fato tirou meu fôlego.

6) Insônia: Um livro que te tirou o sono.


Eu simplesmente não conseguiria dormir sem saber o final da história de América.

7) Amnésia: Um livro que você leu, mas não se lembra muito bem.


Um dos primeiros livros que eu li na vida, com certeza para ler o restante da série terei que voltar nesse.

8) Doenças de Viagem: Um livro que te leva para outra época/mundo/lugar


A escrita da J.K Rowling dispensa comentários, ela é poderosa a ponto de te levar realmente até Hogwarts! Quando leio Harry Potter eu me sinto uma bruxa e todo aquele cenário parece vivo.

9) Desnutrição: Esquece de comer por estar lendo o livro.


Jogos Vorazes sugou meu peso, minhas lágrimas, a força, enfim... É uma trilogia encantadora, que exibe lições para vida. Com certeza ocupa um lugar especial no meu coração

É isso pessoal! Espero que tenham gostado e caso queira fazer a tag também sinta-se à vontade.

Até a próxima!

9 de agosto de 2016

[Entrevistas] Letícia Godoy



Olá pessoal! Tudo bem com vocês? Espero que sim. Hoje eu estou aqui para entrevistar,pela primeira vez, uma parceira e autora nacional que recentemente resenhei para o Relíquias, bem vinda Letícia Godoy! (lê-se várias palmas aqui.)

Olá Letícia, tudo bem? Primeiramente eu gostaria de agradecer pela oportunidade de ter lido um dos seus livros, Deixe-me Entrar, que por sinal se tornou um dos meus favoritos e, além disso, agradecer por você nos conceder essa entrevista. 

Olá, Este e todos os leitores do blog, estou muito feliz em saber disso, sabia? Deixe-me Entrar levou 7 anos para sair da gaveta e agora que ele se tornou público, nem consigo explicar o quanto estou feliz por toda essa recepção. De coração, obrigada a todos que estão se permitindo "entrar" nesta história comigo.

Uou! Sete anos? Realmente ninguém pode falar que é fácil escrever e lapidar um livro, e deve ser gratificante mesmo ver os frutos disso, Parabéns Lê!  

1) Agora vamos minha primeira pergunta é sobre sua carreira, quando você se descobriu escritora e qual o papel que a escrita tem hoje na sua vida?

Pois é! Foram muitos anos, algumas perdas de arquivos que me fizeram reescrever algumas partes e por aí vai. Então, eu comecei a escrever bem cedo. Com 4 anos a minha mãe me ensinou a ler e a escrever e eu sempre demonstrei interesse por essa área, tanto que com 6 anos, eu já escrevi historinhas de Era uma vez em restos de cadernos. Quando fiz 8 anos, assisti a um filme cujo final foi terrível em minha concepção, então juntei o dinheiro que meu pai me dava para o lanche e comprei um caderno, onde comecei a escrever o meu primeiro romance, hoje intitulado Verde Folha, que estou reescrevendo aos poucos.
Assim, nunca mais parei! A escrita me acompanhou por diversos momentos difíceis de minha vida e acho que o papel dela em minha vida é e sempre foi fundamental. Aprendi a me desenvolver mais, a ser mais compreensiva e humana através da escrita e por isso não me imagino sem ela.

Que história linda, também escrevo desde pequena e acho incrível como a magia das palavras ensina tanta coisa e nos auxilia em tantos momentos, por isso me orgulho de fazer parte desse time!  


2) Essa é uma pergunta difícil! Dentre todos os seus escritos, sejam eles publicados ou não, qual seu preferido?

Ai que linda! Muito obrigada e eu cada dia fico mais surpresa com tantos talentos que temos neste nosso Brasil! E nossa! Que difícil mesmo! Eu não sei dizer qual o meu preferido, mas tenho um carinho todo especial pela série Deixe-me pelo fato de estar tão ligada a minha vida, mas Borborema, meu próximo lançamento, também é bastante importante, pois se passa na cidade onde nasci. Há um projeto onde pretendo fazer uma homenagem ao meu avô que viveu muitos anos e viu minha cidade ser colonizada praticamente, mas ele está longe de ficar pronto, o que posso dizer é que é uma história linda e toda vez que começo a escrever eu choro.

Eu te entendo, é realmente difícil escolher entre seus livros quanto uma mãe entre seus filhos. 

Imagina! Também acho incrível como a cada dia surgem novos talentos da literatura que precisam apenas de uma chance, mas esse é assunto para as próximas perguntas, antes disso eu queria saber se:


3) Você acredita em inspiração? Se sim, contou com ela na escrita dos seus livros? 

E devo mencionar que se a própria autora está chorando na escrita do livro, quem dirá os leitores? Prevejo fortes emoções nos próximos lançamentos, preparem-se galera. 

Olha, eu acredito MUITO em inspiração. As vezes ela vem e eu preciso colocar tudo o que estou sentindo urgente no papel (computador, vale até gravador de voz!). Há dias em que estamos inspirados e tudo sai e outros em que tentamos, mas não parece andar, então eu gosto muito de escrever quando estou realmente me sentindo bem para escrever, assim eu não fico me sentindo presa àquilo e rendo melhor.
Ah... esse livro vai ser bem bonito, um romance mesmo, algo que muitos não esperam de mim, mas espero conseguir impressionar. Gosto disso. Gosto de surpreender, escrevendo coisas que me vem à cabeça e são inusitadas.

Nossa isso também acontece muito comigo, minha mãe até acha loucura e pergunta se baixou o santo (risos) porque eu corro, literalmente, para o computador para escrever e engraçado são os substitutos do teclado, uma folha de papel, o próprio braço, e por ai vai... O importante é não perder a ideia. 

Acredito que essa seja uma característica bem importante em um escritor, não ter medo de arriscar, afinal algo que pode parecer maluco para gente pode encantar uma legião de leitores, para mim você está no caminho certo!

4) E falando em escrever, você pode nos contar um pouco sobre seu processo criativo?

Então, primeiro eu espero vir a ideia, normalmente tenho muitas, mas tento afunilar, pois nem tudo tem potencial. Depois escrevo um roteirinho, eu não fazia isso, mas com o tempo e tantas coisas na cabeça, foi preciso começar a fazer. Só depois que já fiz até a ficha dos personagens, com cor de olho, sobrenome, idade e etc, é que começo a escrever, de fato. O prólogo eu sempre deixo por último. Podem me chamar de malucos, mas eu sempre acredito que o prólogo tem que ser super marcante, então eu fico pensando nele durante toda a criação e aí eu o escrevo. Acho que é isso.

E eu sou a prova viva do que é um prólogo marcante, afinal você arrasou em deixe-me entrar!
5) Mas enfim, acredito que antes de ser escritor, somos todos leitores, qual foi o primeiro livro da sua vida? Aquele que te encantou com a magia das palavras? E atualmente, qual seu predileto?

Muito obrigada, Este! Hm.. sobre os livros, eu sempre gostei muito de ler, devorava livros da biblioteca da escola e houve vários que me marcaram muito, mas um que me encantou na época em que li foi A história Sem Fim. Ele é perfeito, maravilhoso mesmo! Até hoje nutro um carinho especial por este livro. Atualmente, depois de me aventurar pela literatura inglesa por conta da faculdade, eu amo O morro dos Ventos Uivantes, é um livro maravilhoso. Do Brasil, sempre será Memórias Póstumas de Brás Cubas e Dom Casmurro!



6) Sobre os personagens, alguns autores costumam ver um pouco de si mesmos neles, e você, existe algum que reflita quem é ou foi a Letícia?

Com certeza. Julianne sou eu em uma fase onde achei que não havia mais esperanças. Elvira, de Jurada pelas Sombras, também reflete a garota que já fui e Annabel, apesar de muito mais madura do que as outras protagonistas, tem um pouco de mim. Acho que não tem como não nos colocar um pouquinho em cada um.

Concordo, também acho que cada personagem acaba puxando um pouco da nossa essência.

7) Agora um assunto mais pessoal e acredito-me, de extrema importância, você recebe apoio da sua família em sua carreira de escritora? 

A minha família sempre me apoia muito. Minha mãe no início tinha medo de eu me decepcionar, mas hoje em dia é uma das mais incentivadoras. O meu pai também. Meus irmãos então nem se fala... Alguns tios e primos também me apoiam muito. Esse apoio é essencial para mim. 

Com certeza, se a família está com a gente tudo parece soar possível. 

8) Então, dizem que a mente de um escritor jamais para! Como anda a sua mente? Está escrevendo algo novo, ou tem um projeto em andamento?


Projetos a mil por hora! Eu tenho vários, alguns já são de conhecimento do pessoal, como o volume 2 da série Deixe-me, Borborema que está finalizado e terá publicação em outubro e O quarto ao Lado, que estou postando no wattpad; ele surgiu de um surto de inspiração. Outros ainda estão em segredo, mas realmente, a mente de um escritor nunca para!

9) Infelizmente a literatura nacional ainda é muito desvalorizada no nosso país, para você, qual seria a melhor forma de ultrapassar essa barreira entre leitores, editoras e nacionais? 

Uma maior ênfase da mídia em livros de modo geral. Nós vemos muita mídia em torno de músicos, artistas e esse tipo de coisa e escritores de modo geral não. Eu acho que quando a literatura de nosso país começar a ser realmente valorizada pela nossa mídia, então conseguiremos ultrapassar esta barreira. Porém, vejo que no último ano as coisas estão bem melhores e estamos conseguindo sim conquistar nosso espaço. Hoje vejo vários autores já conseguindo viver só do que escrevem e isso é lindo!

Realmente, a mídia é uma forte ferramenta para divulgação esperamos que a dedicação que vemos em blogs e canais do youtube para divulgação de nacionais também se estenda a televisão, jornais e revistas.

10) Sabemos que você estará na Bienal deste ano, pode refrescar nossa memória com os horários? E você tem algum lançamento previsto para esse ou para os próximos anos? Se sim, qual?


Eu irei todos os dias da bienal, mas os horários oficiais são dia 01 e 03 de Setembro às 19 horas, mas estarei todos os dias por lá no estande N069 da Editora Arwen.
Quanto a lançamentos, como eu disse, temos o lançamento de Borborema em Outubro, pré-venda dia 26. E em 13 de fevereiro de 2017 temos o segundo volume da série Deixe-me, o Deixe-me Ver. Por enquanto são esses que estão marcados e confirmados!

Muito bem galera, se você quiser garantir um autógrafo da Lê, seguem os dias e desde já, boa sorte pra ti

11) Bom, por fim eu gostaria que você deixasse uma mensagem para todos os escritores iniciantes diante desse difícil jornada que é escrever. 

Ai que linda! Obrigada pelo apoio mesmo, mesmo! Eu gostaria de dizer para todos os escritores iniciantes que, se realmente querem seguir este caminho, sejam persistentes. No começo a gente sempre vai encontrar dificuldades, o caminho realmente não é fácil, mas pode ser lindo. Você apenas tem que ver como vai encarar as dificuldades. Seja sempre humilde, nunca pense que sua obra é a melhor do mundo e está finalizada. Há sempre o que melhorar. Seja atencioso com seus leitores, agradeça a cada um pela oportunidade e acho que é isso. Precisamos de muita empatia, carisma e claro, talento, para seguir neste mundo literário que é tão difícil e ao mesmo tempo mágico!
Obrigada, também, ao blog pela oportunidade, pela simpatia e apoio sempre. Obrigada a todos que leram esta entrevista e estão sempre me apoiando, de coração, eu amo tudo isso!

É isso pessoal, espero de verdade que vocês tenham gostado e agradeço novamente a Lê por ter concedido essa entrevista incrível. Vocês podem conhecer mais sobre o trabalho da autora em suas redes sociais e de quebra garantir um autógrafo na bienal, não vai perder essa oportunidade não é?

Skoob
Wattpad


Até a próxima!

5 de agosto de 2016

[Resenhas] Deixe-me Entrar, Letícia Godoy


320 Páginas
Compre Aqui


Sinopse

Julianne Ipswich cresceu confinada no internato Le Rosey, afastada de sua família com o pretexto de receber uma educação de qualidade. Este fato sempre a incomodou e o maior desejo de Julianne era descobrir a verdade para que a família tenha a afastado, uma vez que não ficou convencida de que a preocupação com os seus estudos seria o único motivo.

Ao completar 15 anos, ela retorna para Stone Forest, a cidade de seus pais, e, aos poucos, acaba descobrindo mais do que gostaria de saber.

Cercada por muito mais perigos e desafios do que ela jamais pôde imaginar que surgiriam em sua vida, Julianne precisará desvendar os mistérios de seu passado e preparar-se para os desafios do futuro rapidamente se quiser sobreviver. As vozes se misturam, os olhos sedentos nunca param de espreitar e o perigo está onde ela menos imagina. Será que Julianne conseguirá enfrentar tudo isso?

Enredo

"— Jeanne, eu não conseguirei existir sem ti! É a razão de eu ser o que sou atualmente. Antes de ti tudo era escuro e vazio! Sentia-me imensamente solitário!"

Página 16

Deixe-me entrar é um romance fantástico da autora nacional Letícia Godoy, seu marco de início é um prólogo narrado no passado, mas especificamente na caça as bruxas, onde a inquisição colocava fim a mulheres acusadas por meio da fogueira. Através dele conhecemos Jeanne Du Chantraine, uma bruxa poderosa que vivia um romance intenso com Gerard Chevalier, porém sua família é condenada a morte e na tentativa de evitar que fosse morta pelas mãos de seus inimigos pediu para que seu grande amor sugasse sua vida, já que ele é um vampiro. Ainda que contra sua vontade, Gerard o faz, mas o vazio da morte de sua amada é eterno assim como sua estadia na terra. 

"O vampiro caminhava sério, pensando nas últimas palavras de sua amada. Toda a vez que se lembrava de seu rosto, sentia o peito arder, como se ainda tivesse um coração. Ele sabia que o seu amor por ela seria eterno, e, caso algum dia a reencontrasse,desejava imensamente poder reconhecê-la, amá-la e, talvez, ser amado por ela uma vez mais..."
Página 21

Assim, somos redirecionados ao presente, onde somos apresentados a Julianne Ipswich, uma garota afastada de sua família desde muito cedo para crescer confinada em um internato com o grande sonho de voltar para casa. 

"Julianne era só uma adolescente solitária com saudades de sua família; que sentia falta de viver em família."
Página 23

Porém, por mais difícil e horrenda que possa parecer a situação, ela é capaz de se adaptar ao novo lar, sendo criada por um casal e convivendo com os demais moradores. Mas é chegado o grande dia, sua família irá retornar, mas ela já não tem mais tanta certeza se ir embora é realmente seu desejo atual. E como se isso já não fosse ruim, antes de partir, seus pais adotivos revelam um grande segredo, além de alertarem que sua vida fora do local jamais será mais a mesma depois disto. 

"Toda a sua realidade parecia a superfície de um espelho e, naquele instante, uma imensa rachadura se formara nele, deixando que as coisas mais inacreditáveis escapassem por esta fenda." 
Página 28

Então a jovem é obrigada a conviver com o segredo sombrio dos pais adotivos e lidar com o abandono sem explicações concisas da família que insiste em tratá-la como uma criança, logo, diante de sua personalidade impulsivaisso torna sua estadia no castelo da família Ipswich conturbada. Além dela ser cercada de mistérios chocantes mesclados a sua rotina escolar diária, que consegue ser a parte mais normal da vida da adolescente, com os típicos clichês colegiais, como por exemplo o primeiro amor.

“Que rosto mais lindo!”, pensou. Nunca vira algo igual. Era ele um anjo? Um demônio? Um... Vampiro?! Fosse o que fosse, morreria se preciso, naquele instante, apenas para continuar olhando-o."
Página 141

Mas nada parece soar tão arrebatador na vida de Julianne quanto a primeira aparição de Gerard em sua vida. Ambos apresentam uma ligação inexplicável, mas os motivos pelas quais a garota busca o homem, são diferentes dos seus quanto a ela, colocando ambos em uma situação embaraçosa com resquícios do passado, onde sobreviver pode ser arriscado.

Impressões

A história é narrada em terceira pessoa e confesso que me encantei pela forma como é narrada. Normalmente não me importo de ler em primeira ou terceira, mas me adapto melhor ao primeiro caso, porém na leitura de Deixe-me Entrar eu realmente me senti envolvida pelo enredo, ainda que não fossem os próprios personagens narrando, existia uma ligação entre o leitor e eles. 

É necessário citar que o enredo é instigante do início ao fim, leve e claro, ele já tem um início arrebatador cercado de mistério e ação, e une elementos que pessoalmente gosto de estudar, como o período de inquisição e o mundo sobrenatural, a forma como a autora indicou cada um deles me pareceu muito real, é certo que para escrever o livro, houve um grande planejamento e estudos frequentes.

A criação do mundo também me convenceu bastante de que de fato, os vampiros existem no mundo, organizados de forma política e organizada,mas é claro, como nem tudo é perfeito, sempre existe quem discorda da ordem. 

Para mim um ponto alto são os personagens secundários, que pela primeira vez se tornaram meus preferidos em um livro. Todos são marcados por personalidades marcantes, únicas. Assim como o fato deles errarem, o que facilita a nossa identificação como leitores, já que somos humanos, feitos de erros. 

Julianne é uma protagonista real, que rege sua vida da forma que fora criada, compreendi bem suas ações arrogantes e de certa forma mimadas por conta da idade e da criação que teve, mas ainda sim o fato dela confiar tanto nas pessoas de forma rápida, me incomodou um pouco, porém acredito que a autora prevê um amadurecimento da personagem até o fim da série, já que notei um desempenho melhor da jovem nas últimas páginas. 

Alias, devo mencionar que meu favoritos são Gerard e Einar. Principalmente o segundo, que provocou muitos risos com seu jeito cômico. 

Sobre a parte visual do livro, não posso apresentar tantos detalhes porque li a versão digital, mas ainda assim, notei que existe um cuidado em retratar o cenário. E a revisão, parece impecável. 

Por fim, acrescento que Letícia criou um mundo fantástico com louvor, fui capaz de vivenciar cada momento com personagens reais e para você que ainda apresenta o preconceito de evitar histórias de vampiros, não perca tempo, recomendo a leitura e estou ansiosa pela continuação.

É isso pessoal, espero que tenham gostado. Você pode acompanhar a autora pelas redes sociais e receber novidades sobre os próximos volumes da série Deixe-me:


Até a próxima!

28 de julho de 2016

[Resenhas] Champion, Marie Lu


Páginas 302
Compre Aqui
Resenha Legend e Prodigy

SPOILER

Sinopse

No emocionante desfecho da trilogia Legend, June ocupa uma posição privilegiada no governo e Day trocou a alcunha de criminoso mais procurado do país pela de herói nacional. Mas quando tudo parece conspirar a favor da paz, a ameaça da guerra ressurge na forma de um vírus mortal que começa a espalhar o pânico entre as colônias. Em Champion, a vida de milhares de pessoas está novamente nas mãos de June, a menina-prodígio da República. Mas salvá-las significa também enfrentar novos desafios e exigir novos sacrifícios de seu amor.

Enredo

Champion se inicia anos após o fim de Prodigy, com um Day poucos mais debilitado e realizando seu tratamento em São Francisco, Califórnia. A um tempo os protagonistas não se veem, mas uma ocasião peculiar os une novamente, uma reunião com o primeiro Eleitor e seus primeiros cidadãos, sendo que June agora está entre eles.

"Abomino minha primeira conversa com Day após oito meses sem nenhuma comunicação. Odeio esse contato. Quando me tornei tão manipuladora? Por que sempre uso de seus pontos fracos contra ele?"
Página 22

Finalmente o reencontro ocorre, mas não é em uma ocasião alegre. A tensão entre as Colônias e a República chega ao seu ápice após a mutação de um vírus que teria sido criado pela República, avançar para as Colônias, ameaçando a população e a cura estaria presente no sangue de Éden, irmão de Day. 

" — As Colônias estão desesperadas por uma cura. Eles vão nos destruir para consegui-la, tudo com que você e eu nos importamos. A única oportunidade que temos de descobrir a cura é fazer com que Éden seja levado para um...
Day empurra a cadeira para trás com força, levantando-se.
— Não."
Página 47

Anden solicita que nosso protagonista libere seu irmão para mais uma vez ser alvo de experimentos que permitam que a República identifique a cura, mas o garoto recusa a proposta com receio dos males que isso venha a trazer para a saúde do seu irmão. Assim, as Colônias se aliam a África, potência da época, e caminham rumo a destruição da República que por outro lado, busca reverter essa situação durante todo o enredo, através de June que tenta convencer Day a ajudar e também por meio de alianças almejadas, como da Antártica, outra potência capaz de dar fim a guerra. 

Impressões

Hoje eu escrevo essa resenha com os olhos cheios de lágrimas, porque sei que todos os comentários positivos a respeito dessa trilogia são verídicos, ela é arrebatadora, desde seu início até o fim, e que fim! Certamente um dos melhores que já li, ao mesmo tempo que destrói seu coração, em páginas seguintes consegue reconstruir aos poucos, gerando um misto de emoções.

"Mostre-me que ainda existe o bem no mundo. Mostre-me que ainda existe esperança para todos nós."
Página 277

Marie Lu consegue criar ganchos incríveis desde Legend para continuação da trilogia, todos os livros certamente foram bem planejados e contribuíram de forma equilibrada para os acontecimentos que viriam a seguir. Sua narrativa corre facilmente ainda que em meio a cenas de alta complexidade, já que lidamos com a ação de estar dentro de uma guerra e as emoções em primeira pessoa das personagens.

"Eu vou te amar para sempre."
Página 290

O ponto alto deste livro em especial é o desenvolvimento das personagens, que amadurecem diante da situação e mudam parcial ou totalmente meu conceito sobre eles. A surpresa da vez foi Tess, que me surpreendeu com suas atitudes. Já os nossos protagonistas permanecem cativantes com suas peculiaridades, Daniel e sua garra inabalável e June lógica e racional, ainda que em decisões que tratam de seu próprio coração. Ela foi uma das personagens que mais cresceu, que apesar de toda sua racionalidade, entendeu a importância de seus sentimentos. 

Recomendo a leitura com toda certeza, e espero que se encantem tanto pela história de June e Day como eu me encantei. 

Até a próxima!
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...